Ana Paula foi eliminada. Isso por si só deveria ter sido um imenso alerta ao povo da casa, principalmente a Sétima Aliança, de que o jogo do trio formado por Diego, Patrícia e Ana Paula não estava agradando ao público. Apostamos muito nisso, familiares dos jogadores apostaram nisso, torcidas apostaram nisso, acredito que até a produção do programa apostava nisso, mas como o confinamento leva a conclusões que jamais entenderemos, após o choque inicial a Sétima Aliança volta a se reagrupar e traçar estratégias.

Diego sofreu muito o impacto da eliminação de sua parceira de jogo. Acredito que ele chegou sim a cogitar se afastar do grupão, fazer um jogo solo com Patrícia e seguir adiante. Mas, talvez por algum mecanismo de defesa, pois admitir que Ana Paula tenha saído por conta do jogo apresentado seria admitir a derrota do próprio jogo, Diego voltou ao velho esquema de traçar estratégias junto com Wagner, Caruso, Viegas, Nayara e Patrícia.

Simplificaram a análise da saída da Ana Paula ao fato de duas torcidas terem se juntado para derrotá-la na votação do público. Colocaram na conta do Mahmoud a indicação da bruxinha ao paredão, imaginaram altas conspirações e estratégias dos demais jogadores fora do grupão, tudo sob a batuta do Mahmoud, inimigo eterno da Ana Paula. E voltaram ao jogo com toda carga, mentindo, tramando, debochando, diminuindo o jogo adversário, colocando em xeque o caráter de seus oponentes. O que antes era feito por Ana Paula e Patrícia, agora temos Diego adotando essa postura. E é aí que reside todo o equivoco do jogo de Diego e Patrícia. O problema não é combinar votos, mas a maneira maldosa, fofoqueira, fantasiosa e mentirosa que eles desenvolvem essa combinação.  Ao perderem Ana Paula, a Sétima Aliança fica capenga de um componente, portanto Diego e Patrícia foram à caça e o alvo escolhido foi Kaysar.

Kaysar vinha fazendo um jogo quase que perfeito. Mostrou uma personalidade extrovertida, chegou disposto a alegrar a casa e distribuir pequenas pérolas de sabedoria. “O importante é ser feliz”, “ devemos perdoar e não guardar mágoas”, “O Brasil é um paraíso”, e por aí seguiam os textos de auto ajuda que tanto encantaram quem assiste o BBB18. A tal ponto que o perfil oficial do programa lançou no Twitter uma publicação com a foto do Kaysar e usando suas opiniões com o título de “Dica de Sabedoria do Dia” ou algo parecido com isso. O espírito era esse, enaltecer as lições trazidas pelo belo sírio para mostrar o quão sábio ele era.

Kaysar era uma espécie de unanimidade. Era quase uma heresia não gostar do Kaysar. Praticamente todas as torcidas trazem o símbolo de seu favorito acompanhado pelo passarinho que é o símbolo da torcida do Kaysar. Dentro da casa, Kaysar não atacava ninguém, era amigo de todos, servia de conselheiro para adversários das mais diferentes torcidas e só votava apenas em um jogador, Viegas. Se tivesse se mantido assim, Kaysar estaria num bom caminho de jogo solo. Não acho que Kaysar seja uma mistura de Cezar Lima e Kleber Bambam, mas acredito que foi buscar na boneca Maria Eugenia uma inspiração para a garrafa com papagaio com quem ele conversa. Até no confessionário no momento da votação, Kaysar leva sua fiel companheira, a garrafa. Não acho que ele lembre o Cezar porque Kaysar interage na casa, estabeleceu laços de afeto com Diego, Patrícia e, principalmente, com Ana Paula. Kaysar não busca o isolamento, mas sim a vida em grupo. Porque é justamente no coletivo onde ele mais brilha.

A saída da Ana Paula foi um momento de inversão para Kaysar. Comentava com Roberto o quanto a saída dela poderia ser benéfica ao jogo do sírio quando Roberto me alertou: não sei, talvez o benefício não seja tanto. Talvez perder Ana Paula possa trazer uma mágoa tão grande que o faça perder o rumo nesse tipo de jogo que ele vem apresentando até o momento. E, se observarmos Kaysar atentamente, seu semblante mudou, perdeu um pouco da leveza que era sua marca registrada. Kaysar acordou para o jogo e isso é um acontecimento importante. Acordar para o jogo não é um possível erro do Kaysar. Tampouco a escolha de seus alvos, essa escolha na verdade é pouco importante. Desde que ele não escolha Mahmoud, o restante da casa está valendo.

O que vai determinar a história do Kaysar a partir de agora é como ele vai lidar com a aliança que ele decidiu abraçar. Porque o jogo da Patrícia e Diego, os responsáveis por cooptar Kaysar, é um jogo que mistura mentiras, maledicências, dissimulação, ou seja, coisas ruins que um jogador de BBB pode apresentar ao público. Escolher esse jogo, e essa aliança em particular, é que foi a grande inversão no jogo do sírio. Porque a partir de agora ele muda sua estratégia por conta da saída da Ana Paula. Ao escolher seus alvos através dessa aliança, Kaysar coloca as diversas torcidas que antes o abraçavam com alegria e peito aberto com o pé atrás. Kaysar pode deixar de ser o queridão de todos e passar a ter adversários reais dentro e fora do jogo.

A grande questão é se ele vai conseguir manter o que ele fez o público acreditar ser a sua essência, a do cara que sofreu e aprendeu na vida a ser feliz. Porque Kaysar estrategista, magoado e ferido, não é necessariamente um Kaysar que vá divertir e encantar o público. A conferir!

 
O jogo do BBB18 até agora se mostrou um jogo atípico. Aqueles velhos motes de romance, amizades para o resto da vida, mulheres e homens bonitos e bem posicionados no jogo, nada disso está funcionando para as torcidas aqui fora. De um lado temos um grupo grande na casa disposto a jogar o que eles chamam de “game”, ou seja, disposto a encarar os adversários como meras peças no tabuleiro do jogo BBB.
Do outro, temos jogadores sem essa vontade de jogar, mas com pouca capacidade de engatar uma história cativante. Talvez por isso, o trio formado por Clara, Gleici e Mahmoud comece a chamar a atenção do público, pois mesmo sem existir um afeto real entre os três, começa a aparecer entre eles uma afinidade através de um jogo transparente ao público. E talvez eles construam uma alternativa ao jogo frio e calculado implantado pelo G7.
Dentro desse contexto, Ana Paula poderia estar batendo um bolão. Disposta ao jogo interno, com boa capacidade de enredar em sua teia seus dois parceiros de jogo, Patrícia e Diego, se impondo sobre a falta de personalidade de Patrícia e a omissão do Diego, Ana Paula inverteu seu jogo de grande rejeitada da casa para uma espécie de chefe dos votos combinados do G7. Mas Ana Paula é excessiva, não tem medida, não tem empatia com o outro seja aliado ou adversário, olha apenas para o próprio umbigo.
E, mais, desrespeita seus adversários num tanto que impossibilita qualquer defesa de seu jogo, apesar de ser um jogo interno competente. Chamar suas coleguinhas de confinamento de “vaca”, “vagabunda” e afins vai além do jogo, coloca a avaliação da Ana Paula de seus adversários no campo pessoal levando o público a julgá-la também de maneira pessoal. Essa personalidade excessiva pode ser a derrocada do jogo interno da bruxa do BBB. Ao não ouvir o outro, ao passar como um trator sobre as argumentações de seus aliados, Ana Paula atrai para si a antipatia do grupo.
Ninguém gosta de ser manipulado. Mas, ninguém tampouco ainda se colocou contra ela porque está sendo conveniente para todos. Paula soube que ia ser votada e pensou que uma boa estratégia seria ir para a cozinha, ser simpática com o trio e quase beijar o Breno na festa de ontem. Wagner sabe que Ana Paula manipula os votos dele e até o momento continua se submetendo a esse jogo. A votação de hoje à noite será um bom momento de redenção para Wagner. Ana Paula é a menos querida pela avaliação que eles fazem todos os dias, mas o G7 continua se perfilando com os desejos da bruxa. Estou aqui aguardando esse povo acordar e dar um sacode nesse jogo previsível de se defender de maneira tão oportunista.
Talvez de todos do elenco Kaysar seja a expressão mais próxima do jogo padrão do BBB. Kaysar é um indivíduo simpático, alegre, faz um jogo cativante que pode levá-lo à Final do Big Brother quiçá, ao prêmio tão almejado. Kaysar não se faz de vítima da vida e esse é seu grande mote. Ele é um turista solteiro curtindo o Brasil e o Rio de Janeiro, o que faz de seu jogo algo colorido sem necessidade de alardear sofrimentos externos. Kaysar disse que os brasileiros vão para o estrangeiro lavar prato e, no entanto, têm vergonha de exercer a mesma atividade aqui no Brasil. Mas essa é uma visão de um estrangeiro em outra terra, de alguém que não está inserido em sua própria cultura. Kaysar é formado em hotelaria e, acredito, tenha sonhos de crescer profissionalmente no Brasil. O jogo analisado tem que ser aquele jogado dentro da casa, as histórias aqui de fora pertencem a outro personagem que pouco nos interessa, senão teremos que falar da vida sofrida de todos os jogadores. Poucos ali têm vida fácil.
Neste jogo quem surpreendeu e foi muito além das expectativas foi o jogo da Ana Clara. O sonho era do Ayrton, mas quem se mostrou a grande jogadora foi sua filha. Sagaz, inteligente, com personalidade marcante Ana Clara só não voa mais porque tem sua imagem atrelada ao pai e seu jogo engessado nessa dobradinha que foi importante até o momento, mas que já perdeu sua finalidade. A ruivinha do BBB18 é um pássaro com as asas cortadas pela presença do pai. Ayrton saiu da postura do pai transgressor para o pai controlador. Acredito mesmo que essa relação tumultuada que assistimos entre pai e filha seja a verdadeira maneira como eles se tratam aqui fora.
E por mais que a gente critique determinadas atitudes do Ayrton foi ele que formou essa menina com uma visão de mundo capaz de abraçar a Gleici e apoiar o Mahmoud sem se preocupar com os códigos acenados pela turma balada top. Apesar de ter apenas 20 anos, Ana Clara mostrou mais maturidade e um olhar mais abrangente sobre o outro do que muitos que estão no jogo e são mais velhos do que ela. Suas opiniões sempre são embasadas com conteúdo e reflexão lógica sobre o assunto. Mas, ao mesmo tempo, ela é uma menina capaz de alimentar uma paixonite pelo Breno, ter um certo controle sobre essa paixão, mas sem arredar pé de seu desejo de mulher. Breno beijou uma boca que não deveria ter beijado e fez promessas veladas à pessoa errada porque Ana Clara mostrou não ser o tipo de pessoa que deixe situações passarem batidas em sua vida.
Ayrton até o momento teve um papel de segurar um pouco a filha nesse jogo, talvez sozinha Ana Clara tivesse sido mais ousada e se perdido em sua trajetória. Mas esse momento de retenção já passou, Ana Clara precisa alçar voos maiores e acredito piamente que se ela voltar do paredão desta semana a produção do programa deveria cogitar a possibilidade do público escolher quem eles desejam que siga adiante, Ana Clara ou Ayrton.

Olá meus queridos!

Desculpe pela ausência, mas eu estava precisando de umas férias prolongadas. Muitos me perguntam se eu eu vou comentar A Fazenda. Não, não vou. Acho que sequer vou assistir. Tampouco estou com disposição de comentar a próxima edição do BBB. Nada contra o programa, mas esse clima de blog sobre BBB me faz muito mal, me deixa uma pessoa pior, me faz sentir coisas que normalmente não fazem parte da minha vida ou da maneira como eu me comporto no dia a dia. Não gosto de sentimentos como inveja, raiva, rancor…

Saibam que vcs sempre estarão em meu coração. Amo vcs pelo carinho que me dedicam, pelos anos que dividimos esse espaço na internet, pelas concordâncias e discordâncias que tivemos ao longo do caminho. Fiquem em paz! Fiquem com Deus!

Beijos em todas e em todos!

ErroNaCorDoCartao from SusanDCPL on Vimeo.

O futebol tem 17 regras básicas, para conhecê-las clique no link abaixo. E nestes vídeos estamos demonstrando o uso do cartão errado e o correto. Você pode ver que a diferença entre um e outro é gritante. E ai fica a pergunta… Por que o Juiz não usou o vermelho? Falta de conhecimento, falta de coragem, prejudicar o Vasco, beneficiar o Flamengo ou não querer prejudicar o jogo?

CataoCorreto from SusanDCPL on Vimeo.

Os comentaristas de futebol estão reclamando que neste jogo o juiz aplicou oito cartões amarelos e nenhum vermelho. No meu modo de ver o árbitro foi bem criterioso, pois quando ele não aplicou o cartão vermelho na agressão feita pelo jogador do Flamengo no primeiro cartão apresentado, ele só poderia aplicar o vermelho se a jogada retirasse a cabeça do adversário… Você não concorda? http://www.portalbrasil.net/regras_do_futebol.htm

A-Bola01

Como em várias atividades da sociedade moderna o futebol também não é mais coisa só para homem. E foi pensando dessa maneira que procuraremos levar um papo com vocês sobre este esporte que apaixona milhares de pessoas no mundo inteiro. Hoje começam as decisões nos campeonatos regionais, e acredito que apesar de não ser a principal competição do país são a que melhor conhecemos, pois é a mais próxima. Afinal todos nós temos, nem que seja de leve, uma quedinha por um clube, seja pelas suas cores ou pela tradição familiar ou simplesmente para ser do contra, rs rs rs.

A-Bola02

O futebol não conquistou tanto espaço de graça, o jogo tem na complexidade da execução dos movimentos um alto grau de dificuldade por ser executado com os pés e ter nas grandes dimensões do campo um imenso tabuleiro de xadrez, que precisa ser preenchido com planejamento da equipe de modo a se proteger e a atacar o adversário de forma harmoniosa e letal.

A-Bola03

O mais engraçado em tudo isso é que uma mulher foi até agora a maior detentora do titulo de melhor do mundo. Cinco vezes consecutiva eleita entre 2006 e 2010 e duas vezes em 2005 e 2011 vice, a brasileira Marta. Além disso, ela foi escolhida como Embaixadora da ONU. Creio que hoje ela seja hors concours. Mas não é só de Marta que vive o nosso futebol feminino, temos um time fortíssimo e assim como o masculino possui praticamente todos os jogadores selecionáveis do time principal e do sub-vinte que irá jogar nas Olimpíadas, jogando na Europa.

A-Bola04

Aí, você me pergunta: por que não temos os melhores campeonatos de futebol do mundo se temos os melhores jogadores? Primeiro não possuímos no país sequer um campeonato de futebol feminino. Se as meninas tivessem um mínimo de estrutura com certeza ganharíamos todas as competições. Hoje da forma precária que estamos, competimos de igual pra igual com os países organizados. E o masculino é refém dos dirigentes que não pensam em planejamento e estrutura, preferem dar mais valor ao faturamento imediato e duvidoso para privilegiar uns poucos.

A-Bola05

O melhor exemplo vem do nosso voleibol que, com uma pequena organização e planejamento, transformou-se num dos maiores vencedores do mundo, tanto no masculino como no feminino. Portanto, meninas, venham participar conosco dos debates sobre futebol. Afinal ele não é coisa só pra homens.

Amanda

Eu prometi que a gente teria algumas conversas de mulher para mulher após o BBB15. E vamos começar, usando como mote os personagens dessa ultima temporada do Big Brother. Eu acho interessante a tentativa da Rede Globo de tentar transformar a história que Amanda viveu com Fernando num conto de fadas. Quando de fato foi um pesadelo. Daqueles que a gente usa para aprender alguma coisa com as experiências alheias. Claro que esse nunca será o melhor aprendizado, são as nossas experiências que na verdade nos ensinam grandes lições, mas serve para a gente refletir o que significa o amor. Eu acho que essa palavra foi muito banalizada nesta última edição. Amanda correu atrás de um capricho.

Será que valeu a pena? Será que é esse o caminho para a gente encontrar o amor? Se humilhar por um homem, imprensá-lo na parede tocando em suas partes intimas para sexualmente provocá-lo? Ficando praticamente nua numa oferta sem reservas? Será que assim a gente encontraria o amor aqui fora? Acredito que não. Porque faltou uma coisa muito importante no relacionamento que Amanda e Fernando estabeleceram no confinamento, o respeito. Faltou também admiração mútua, confiança no outro, sinceridade. Quando alguém mente para conquistar o outro a única coisa que vai colher lá na frente é uma raiva profunda. Ninguém gosta de ser enganado. Fica a conquista pela conquista, a todo custo, por qualquer preço. E isso não traz felicidade. Nem frutos duradouros.

Eu não acho que seja condenável uma pessoa comprometida se interessar por outra. Acontece. Mas quando isso ocorre o relacionamento anterior já está fracassado. Lutar por alguém que não sabe se te quer é uma grande furada. Não é nenhum gesto grandioso ou nenhum ato de coragem. Tampouco é algo libertário. Pauline Roland, uma feminista do século XIX disse que “a mulher, tanto quanto o homem, deveria ser criada como um ser livre, racional, pertencendo a si mesma, independente”. Rastejar por um homem não é ser independente, pelo contrário, é vincular sua felicidade ao outro, se sujeitando a toda sorte de humilhação. Ninguém vai conseguir ser amada de fato agindo dessa maneira porque jamais será respeitada como deveria.

Assim como a nudez. As mulheres que se desnudaram para estabelecer o seu domínio sobre seu corpo o fizeram justamente por esse motivo, para dizer que seu corpo lhes pertencia. Leila Diniz quando usou biquíni mostrando sua barriga de grávida foi para mostrar ao mundo que gravidez era um momento mágico na vida da mulher e, portanto, não havia nada a esconder num corpo em gestação. Se nosso corpo nos pertence poderíamos até dizer que Amanda faz com o corpo dela o que ela desejar. Sem dúvida é verdade. Mas existe algo chamado autoestima. Dignidade. O que vemos hoje é um casal que fez sofrer tanta gente para chegar aqui fora e sequer conseguirem olhar um na cara do outro. Valeu à pena? Não creio. Hipoteticamente considerando que Amanda realmente se apaixonou pelo Fernando, o que ela ganhou com tanto empenho? Apenas experiência, daquelas que a gente pode evitar de cara, pois já sabe que é uma roubada. Amanda não conseguiu ganhar o amor de Fernando e acabou sem o um milhão e meio de reais. Azar no jogo e no amor? Não, falta de autoestima. Como diria o filósofo Naldo, autoestima! Autoestima!

TW01

O BBB15 acabou trazendo nas palavras de Pedro Bial a promessa de mais uma edição em 2016. Apesar dos pesares a gente fica feliz, afinal de contas essa é uma diversão garantida, mesmo a gente reclamando incessantemente todos os anos. E, pensando nisso, me lembrei que antes a gente custava a gostar dos participantes, abríamos as edições odiando cada um deles para aos poucos irmos nos apaixonando e defendendo esta ou aquela atitude. Hoje, mesmo antes de o programa começar os fandons já estão montados em cima de simpatias e ilusões, frutos de fotos e divulgação dos perfis dos candidatos. Tudo isso começa nas redes sociais, principalmente no Twitter. E, talvez, vejam bem, talvez, esse seja um dos elementos que vem minando o jogo das últimas edições, principalmente das duas últimas. No BBB14 já tinha fã clube de casal mesmo antes da porta da casa se abrir e essa simpatia carimbada sem conhecimento acabou pesando no jogo.

TW02

Este ano, Amanda já entra com torcida emprestada da Clara e mesmo não sendo determinante (Obrigada Senhor!) esse fato em alguns momentos envolveu o BBB15 numa nuvem de fumaça. Dentro e fora da casa. Dentro, porque Amanda já chegou dizendo que tinha grande torcida, tentou intimidar Fernando no terceiro dia de programa ameaçando com a torcida da Clara para que ele ficasse com ela. Isso criou um mito entre os jogadores de que Amanda era forte, mito esse reforçado com a saída da Aline. No jogo eles não tinham como saber que a diferença havia sido tão pequena. Fora do jogo, essa cortina de fumaça faz crescer a torcida da Amanda com muitos se fiando nessa aposta ancorada na certeza de que Clara e suas fies seguidoras levariam, mais uma vez, alguém rejeitado ao cheque de um milhão e meio de reais. Porque Amanda foi rejeitada. E muito.

TW03

Quando eu falava esse tipo de coisas lá no Twitter muitos vinham me questionar dizendo que a torcida da Amanda era imensa e que ela era amada por sua maneira de ser. Torcida essa que não conseguiu em quatro lideranças ganhar sequer um “Você no Controle” que beneficiaria a líder, ela perdeu todas, inclusive uma de imunidade. Além de não conseguirem segurar nenhum aliado da morena no jogo. Esses eram indicativos que muita gente se recusou a enxergar. Nem precisava recorrer ao sofá, bastava dar uma voltinha pelos comentários nos sites como UOL, Terra e até mesmo no perfil oficial do BBB no Facebook para se ter uma ideia da rejeição da Amanda e da crescente popularidade do Cezar. Porque Cezar acabou virando um fenômeno.

TW04

Assim como a população decide nas eleições para nossos representantes votar em figuras bizarras como o Tiririca, num misto de identificação das grandes massas e repúdio à classe política, nesta edição do Big Brother, Cezar virou símbolo e campeão do povão. E por ter conquistado o coração de tanta gente ele merece o respeito da mídia e da Rede Globo, agir de outra maneira é falta de profissionalismo, de postura, é amadorismo. Afinal de contas, Cezar hoje é um produto da emissora, contribuiu para a visibilidade desta temporada do BBB e fará daqui para frente parte da história do programa e da galeria de seus campeões. Cezar é o campeão do Big Brother Brasil que enfrentou o maior número de paredões consecutivos, sendo assim, foi o mais aferido ao contrário da Amanda que só ficou em segundo lugar porque de verdade só enfrentou um paredão acirrado, triplo, que dividiu os votos de Mariza e Aline. Por menor que tenha sido o percentual de Mariza naquele paredão ele fez falta nos três porcento de diferença que garantiriam a vitória da Aline. Derrotar o Fernando foi fácil, foi chutar cachorro morto e pelo baixo índice que Amanda conquistou na Final, apenas trinta e cinco porcento, tudo leva a crer que ela não sobreviveria numa paredão contra Adrilles ou Mariza. Amanda ficou apenas com o segundo lugar e a gente nem sabe se ela ainda estará na mídia daqui a alguns anos. Afinal, onde estão os participantes que ficaram em segundo lugar em outras edições? Com raríssimas exceções, poucos na internet ainda lembram. E no grande público eles foram relegados ao total esquecimento.

TW05

Não bastou ao Cezar ser cowboy, apesar disso ter pesado imensamente, ele aliou a esse tipo regional inteligência para lidar com os egos exacerbados dos demais jogadores. Porque, se afirmam que ele se auto isolou, que ele criou uma situação de rejeitado, a gente só pode achar que ele foi mais inteligente do que os demais já que quase todos caíram em sua armadilha e contribuíram para que ele se tornasse o campeão dessa edição. Além disso, Cezar levou para o jogo um discurso de retidão e humildade que ele soube praticar muito bem. Talvez porque ele seja mesmo honesto e humilde, pelo menos sua história de família do campo que luta para sobreviver tinha seu fundo de verdade. Apesar de eu não achar que eles eram miseráveis, mas aquele pai com o rosto marcado pelo trabalho árduo não permite que se diga que a história do Cezar não é verdadeira.

TW06

Cezar teve no jogo uma estrutura emocional que poucos jogadores demonstraram em quinze edições do Big Brother Brasil. Passar dois meses no Tá Com Nada sem reclamar, sem ficar mal humorado, sem perder a linha um momento sequer, por si só já demonstra que Cezar estava preparado para enfrentar o confinamento. E quem pode julgá-lo por isso? Quem pode julgá-lo por não beber bebida alcoólica para não perder o rumo? Isso também é estratégia, aliás, isso é que é uma estratégia. Aquele negócio de ficar contanto votos, arrebanhando aliados, puxando tapete do outro, esse é um jogo para alguns setores da internet que se espelham nos Big Brothers de outros países para advogar esse tipo de pensamento no jogo. E que estão no Twitter acreditando que sua visão é a mais inteligente e única adequada ao BBB. Quando na verdade num jogo de convivência o que o público julga é o caráter dos jogadores. Acertadamente ou não, mas nas nuances do jogo o público tenta entender cada participante, julga sua atitudes, intui seu caráter e debate na defesa ou crítica ao jogador.

TW07

Sempre são muitas as visões sobre o jogo do BBB, mas nesta temporada foi forte a sensação de que havia o BBB do grande público e o BBB do Twitter, felizmente a escolha dos candidatos e principalmente tipos como Mariza, Adrilles e Cezar permitiu que o grande público caísse de cabeça no jogo e enterrasse todas as apostas do Twitter. The sofá is back! Mas muitas vezes a gente percebe que a produção do BBB flerta com essa parcela da Twitter, acredita em sua pretensa modernidade e quando o faz recheia o BBB com perfis vazios da galera das baladas. Assim como são vazias as críticas e o humor como é tratado o programa. Esta edição do BBB15 deixou claro para a produção do BBB que não é isso que o grande público quer, que essa visão restrita de jogadores bonitinhos e ordinários não ganha a briga pela audiência, que textos de três linhas e muitas fotos não provoca o debate e envolve as torcidas. Como disse a galera, o sofá foi forte este ano e deu a dica daquilo que ele espera na próxima edição. Resta saber se seremos escutados ou se os modismos de ocasião continuarão a ditar as regras do jogo.

Entrar

Siga-nos @DeCaraPraLua

Facebook

Comentários