Mês: Abril 2013

25deabril

Dia 25 de abril… Se fosse viva, Ella Fitzgerald estaria hoje completando 96 anos. Hoje também Portugal comemora os 39 anos da Revolução dos Cravos quando se restabeleceu o caminho para a democracia portuguesa. Os dois acontecimentos têm muito a ver com minha vida. Ella foi a primeira cantora de jazz por quem eu me apaixonei aos 14 anos. Na verdade, ela é responsável por minha paixão pelas cantoras de jazz, pois mais do que apaixonada pelo gênero musical eu sou louca pelas jazz singers. Para vocês entenderem o quanto eu tive que me reinventar para ficar cantarolando Louca, louquinha durante o BBB13, tudo por conta de uma esfuziante e adorável Fernanda Keulla e um tímido, mas não menos adorável, André Martinelli presentes no jogo.

Atrás da Ella vieram a Billie Holiday, Dinah Washington, Nina Simone e Natalie Cole.  Tudo isso aliado à minha descoberta da Janis Joplin, todos artistas fora do circuito comercial dos jovens de minha época. Imaginem o espanto que causei ao chegar nos EUA, num sul ainda em conflito com racismo que residia na cabeça das gerações mais velhas, para viver com uma família branca à cata de discos de artistas negras de jazz e do ícone de uma geração que nenhum americano de classe média lembrava ou compreendia, aquela forjada no festival de Woodstock. Enquanto meus irmãos americanos se embalavam ao som de Peter Frampton, eu os atormentava com os agudos angustiados da Janis na música Cry Baby.

eutomcar

Fui parte desse mundo e de outro não tão perfeito quanto o da minha descoberta musical, os anos finais da ditadura e início do processo de democratização do Brasil na década de 80. Lembro-me de quando, ainda menina, mostraram um jovem na televisão, apresentado como terrorista, eu, muito pequena, congelada de medo de que aquele homem mau invadisse minha casa e destruísse meu mundo. Reportagens sobre assaltos a Bancos que eu não compreendia, onde enxergava apenas o medo que eu, muito criança, via refletido nos olhos de meu pai e minha mãe.

Anos mais tarde eu estava do outro lado, fazendo meus pais perderem noites de sono, ainda aterrorizada, mas participando da primeira reunião para reestruturação da União Nacional dos Estudantes que foi realizada na PUC, onde escondíamos nossos rostos na hora da imprensa fotografar a manifestação por medo de represálias dos órgãos de repressão. Tudo isso é hoje uma realidade incompreensível para os tantos jovens que me leem, que não têm ideia do que seja ter medo de expressar sua opinião sobre o mundo, ter letras do Chico Buarque censuradas ou se deleitar quando o Chico driblava a censura e conseguia lançar no mercado uma música cheia de mensagens subliminares. Vocês sabiam que o Chico já registrou uma música sob o pseudônimo de Julinho da Adelaide? Pois é, essa realidade brasileira que parece tão distante, mas que ocorreu ontem se levarmos em conta os mais de quinhentos anos de existência do Brasil.

euhippie

Me lembro também da Revolução dos Cravos, dos soldados portugueses distribuindo flores pelas ruas e da lufada de esperança que representou o 25 de abril de Portugal para um Brasil que ainda via morrer nos porões da tortura seus jovens filhos rebeldes. Olho para o mundo de hoje, cuja insegurança tem outro teor, onde o medo da violência é muito fruto das soluções políticas e econômicas buscadas por esse país que soube enfrentar o desafio de se tornar democrático, mas que engatinha ainda para resolver a desigualdade social, a péssima distribuição de renda, o sufocamento da classe média, a corrupção dos políticos, a proliferação das drogas e tantos outros problemas que vivemos em nosso dia a dia.

Porém, mais que tudo, esse país que quer ser democrático esbarra no despreparo de uma geração inteira que não conhece sua história, que lê poucos livros, que tem preguiça de textos longos, que se esforça num sistema educacional falho e elitista, que não sabe mais escrever, que se desacostumou a pensar. Mas que ao mesmo tempo tem a sua disposição instrumentos que eu jamais poderia sonhar aos meus 14 anos. Que encurta distâncias globais ao toque de um teclado, que coloca cara a cara, em tempo real, duas pessoas que moram a milhares de quilômetros uma da outra.  Um admirável mundo novo, que assusta ao mesmo tempo que me fascina.

Este espetáculo de dança tem a duração de uma hora e vinte minutos. Nós selecionamos uma pitada para vocês curtirem a proposta do renomado coreógrafo Antônio Nóbrega em Naturalmente, teoria e jogo de uma dança brasileira. O espetáculo, que fala das raízes da dança e da música brasileira e foi eleito o melhor da década de 2000 pela Revista Bravo!

Esta é a temporada 11 desse reality de moda… Está quase no final, mas vale sempre a pena dar uma olhada…

 

 

 

Quem olha uma obra de arte contemporânea muitas vezes pode achar que é fácil chegar aquele resultado. É típica a história do pai que diante de uma pintura abstrata diz: até meu filho consegue fazer isso. No entanto, o “isso” dá mais trabalho do que supõe nossa fã filosofia. Existe por trás de cada obra contemporânea uma discussão, seja da pintura, do papel do artista ou da própria arte.

Adriana Varejão é uma das grandes artistas contemporâneas do Brasil. Com uma primeira exposição realizada em 1988 na Galeria Thomas Cohn, Adriana é hoje um nome internacional e já teve uma obra leiloada por um milhão de libras pela Christie’s em Londres. Este foi o maior valor já pago por obra de um artista brasileiro ainda vivo. Impressionante não? O que nos leva a pensar que nenhum sonho é impossível de ser alcançado. Não existe profissão não rentável ou fadada ao insucesso.

Minha irmã quando fez o segundo grau optou por cursar a Escola Normal. Minha mãe teve uma longa conversa com ela mostrando o quanto os professores eram mal remunerados e que talvez ela pudesse escolher outra carreira. Mas, minha irmã era uma idealista e foi em frente. Hoje ela é professora universitária, respeitada pesquisadora, com pós- doutorado na França e diversos trabalhos publicados. Ela acreditou que era possível e construiu seu sonho. Ficou milionária? Não, mas faz o que gosta.

E aí a gente vê esses meninos que se aventuraram a viver dentro de um reality em busca do prêmio ou da visibilidade para conseguir, também eles, seguir em frente e construir um sonho. Coisa de maluco? Não, coisa de gente jovem e idealista. O problema é que a fama imediata é ilusória e pode dar a falsa impressão de que o caminho está pronto, quando na verdade eles estão apenas começando.

E haja investimento, vontade de dar certo, garra e perseverança. Se vão ficar famosos ou realmente milionários, se fama não vão alcançar e serão felizes em outras áreas, se serão eternos insatisfeitos vivendo à sombra da fama de ex-Big Brother, são meras conseqüências do caminho trilhado.

Na verdade estamos em fase de testes pensando novos caminhos para o De Cara Pra Lua. Eu sei o quanto vocês ficam ansiosos com os sintomas de abstinência de pós-BBB. A falta ou o excesso de notícias dos participantes do programa acabam orientando nossas vidas. A gente quer sempre o melhor para aqueles cujo jogo defendemos. Na verdade, desejamos o melhor para todos, afinal de contas acabou o programa. Game over!

Eu e Roberto temos discutido muito que caminho vamos tomar daqui pra frente. Talvez a gente aproveite esse pós-BBB para falar de outros assuntos, um pouco de música, teatro, cinema. E, outros programas que eu gosto de assistir nos intervalos entre as edições do BBB. Então estamos an verdade testando novos caminhos. A galera do Cartas para Pi achou um site legal que transmite os programas da TV americana ao vivo. Colocamos uma programação de concurso de dança infantil para a gente ver como funciona. Agora em maio vai começar o So You Think You Can Dance, neste final de abril temos a reta final do Project Runway. Achei que seria interessante acompanharmos juntos. Estamos abertos também à sugestões!

 

Entrar

Siga-nos @DeCaraPraLua

Facebook

Comentários